1883

Eis uma nova edição das Sagradas Escrituras na tradução do Padre Manuel de Matos Soares. O texto segue a edição de 1956, a última trabalhada pelo tradutor, que faleceu no ano seguinte. Nela, o Pe. Matos Soares — com o auxílio do padre jesuíta Luís Gonzaga da Fonseca, professor no Pontifício Instituto Bíblico — revisou seu próprio texto (que traduzira décadas antes da Vulgata Latina) conforme os originais hebraicos e gregos, ouvindo provavelmente o pedido do Venerável Pio XII na Divino Afflante Spiritu (1943), para que os estudiosos católicos partissem dos originais em suas traduções da Bíblia, e que por sua vez comemorava a Providentissimus Deus (1893) de Leão XIII, sobre o estudo das Escrituras — e isso antes da descoberta dos manuscritos do Mar Morto, em 1947.

Essa revisão do Pe. Matos acarretou bastantes alterações que, embora não tenham modificado o aspecto geral de seu antigo texto, foram sensíveis em alguns pontos, em que o tradutor decidiu, por exemplo, ressaltar alguns hebraísmos, antes encobertos. A numeração dos versículos já segue os manuscritos originais nos pontos em que estes diferem da Vulgata (embora o padre não o diga exatamente no Prólogo). Os salmos, por exemplo, trazem entre parênteses, ao lado da numeração hebraica, a correspondência latina. Suas notas introdutórias e de rodapé também seguiram a mesma toada — iguais no todo, com correções meticulosas aqui e ali, e mais ponderadas, sem tomar partido quando a crítica, entre 1927 e 1956, suscitou dúvidas sobre algumas interpretações. Quando algum ponto do texto de 1956 nos parecia corrompido ou marcado por um lapso editorial, porém, recorremos às edições anteriores, mais cuidadosas. A ortografia foi revisada para o português do Brasil (pré-reforma), mantendo-se porém alguns nomes próprios em grafia tipicamente lusitana, por conta de sua maior proximidade com a transliteração do nome original.

Ainda que não devamos de modo algum negligenciar a diretiva do Magistério para que se tome como versão latina oficial a Neovulgata, a ser usada na liturgia, e sem desconsiderarmos os esforços monumentais para compô-la — desde o início dos estudos a pedido de São Pio X, passando pela comissão instituída por São Paulo VI ao fim do Concílio, até a Scripturarum Thesaurus de São João Paulo II em 1979 —, a Editora Ecclesiae reedita e apresenta ao público este 10 nota editorial texto, cuja referência basilar é ainda a Vulgata de Jerônimo, porque foi sobre ela que durante tantos séculos os teólogos se debruçaram, foram suas páginas que os monges por tanto tempo decoraram e meditaram, e a ela se referem tantos comentários. Como uma riqueza a ser conservada, das tantas que há no tesouro da Igreja, de onde "o pai de família tira coisas novas e velhas" (Mt 13, 52), nós preservamos esta antiga tradução imprimindo-a em papel novo, a fim de que seja mais uma ocasião para os fiéis amarem e estudarem em profundidade as páginas inspiradas, pois, como disse o mesmo Doutor Máximo, "ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo".

 

 

Ficha Técnica

 

Editoras: Ecclesiae

Dimensões: 14.00 x 21.00

Páginas: 2096

Idioma: Português

 

 

1883
44
Bíblia Sagrada (tradução Pe. Manuel)

Bíblia Sagrada (tradução Pe. Manuel)

(0)
Cód: 063
Carregando...
+ ver formas de pagamento
Simulador de Frete
- Calcular frete

Eis uma nova edição das Sagradas Escrituras na tradução do Padre Manuel de Matos Soares. O texto segue a edição de 1956, a última trabalhada pelo tradutor, que faleceu no ano seguinte. Nela, o Pe. Matos Soares — com o auxílio do padre jesuíta Luís Gonzaga da Fonseca, professor no Pontifício Instituto Bíblico — revisou seu próprio texto (que traduzira décadas antes da Vulgata Latina) conforme os originais hebraicos e gregos, ouvindo provavelmente o pedido do Venerável Pio XII na Divino Afflante Spiritu (1943), para que os estudiosos católicos partissem dos originais em suas traduções da Bíblia, e que por sua vez comemorava a Providentissimus Deus (1893) de Leão XIII, sobre o estudo das Escrituras — e isso antes da descoberta dos manuscritos do Mar Morto, em 1947.

Essa revisão do Pe. Matos acarretou bastantes alterações que, embora não tenham modificado o aspecto geral de seu antigo texto, foram sensíveis em alguns pontos, em que o tradutor decidiu, por exemplo, ressaltar alguns hebraísmos, antes encobertos. A numeração dos versículos já segue os manuscritos originais nos pontos em que estes diferem da Vulgata (embora o padre não o diga exatamente no Prólogo). Os salmos, por exemplo, trazem entre parênteses, ao lado da numeração hebraica, a correspondência latina. Suas notas introdutórias e de rodapé também seguiram a mesma toada — iguais no todo, com correções meticulosas aqui e ali, e mais ponderadas, sem tomar partido quando a crítica, entre 1927 e 1956, suscitou dúvidas sobre algumas interpretações. Quando algum ponto do texto de 1956 nos parecia corrompido ou marcado por um lapso editorial, porém, recorremos às edições anteriores, mais cuidadosas. A ortografia foi revisada para o português do Brasil (pré-reforma), mantendo-se porém alguns nomes próprios em grafia tipicamente lusitana, por conta de sua maior proximidade com a transliteração do nome original.

Ainda que não devamos de modo algum negligenciar a diretiva do Magistério para que se tome como versão latina oficial a Neovulgata, a ser usada na liturgia, e sem desconsiderarmos os esforços monumentais para compô-la — desde o início dos estudos a pedido de São Pio X, passando pela comissão instituída por São Paulo VI ao fim do Concílio, até a Scripturarum Thesaurus de São João Paulo II em 1979 —, a Editora Ecclesiae reedita e apresenta ao público este 10 nota editorial texto, cuja referência basilar é ainda a Vulgata de Jerônimo, porque foi sobre ela que durante tantos séculos os teólogos se debruçaram, foram suas páginas que os monges por tanto tempo decoraram e meditaram, e a ela se referem tantos comentários. Como uma riqueza a ser conservada, das tantas que há no tesouro da Igreja, de onde "o pai de família tira coisas novas e velhas" (Mt 13, 52), nós preservamos esta antiga tradução imprimindo-a em papel novo, a fim de que seja mais uma ocasião para os fiéis amarem e estudarem em profundidade as páginas inspiradas, pois, como disse o mesmo Doutor Máximo, "ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo".

 

 

Ficha Técnica

 

Editoras: Ecclesiae

Dimensões: 14.00 x 21.00

Páginas: 2096

Idioma: Português

 

 

    Avaliações de Clientes

    Deixe seu comentário e sua avaliação







    - Máximo de 512 caracteres.

    Clique para Avaliar


    • Avaliação:
    Enviar
    Faça seu login e comente.

    Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.